A 31ª Sessão Plenária, realizada nesta terça-feira (1°/9), concentrou a maior parte das manifestações e pedidos para a adequação ao atendimento da comunidade em diversos serviços, como transporte público, marcação de consultas nos postos, entre outros.

A 31ª Sessão Plenária, realizada na terça-feira (1°/9), realizou-se de forma presencial para vereadores, assessores e meios de comunicação. Devido à pandemia de coronavírus, a presença do público permanece proibida, para evitar aglomerações. Os vereadores aprovaram por unanimidade, todos os projetos que estavam na pauta de votação: PL 081/2020 (Autoriza a abertura de crédito suplementar); PL CM 038/2020 ( Denomina de “Marlei Terezinha Kobs” a área de lazer localizada junto ao canteiro central da Av. Maria Helena Barzotto, no Bairro Jardim do Cedro e dá outras providências), de autoria do vereador Lorival Silveira (PP); PL CM 41/2020 (Denomina de Rua ARAY MELLO CHRIST a Rua 14-X, no Residencial Atena no Bairro Conventos) e PL CM Nº 040-04/2020 (Denomina de Rua FRANCISCO HENRIQUE SIEBEN – FRANÇA a Rua 137 C, no Loteamento Europa Omega, no Bairro Conventos), ambos de autoria da vereadora Neca Dalmoro (MDB).

Também foi votada a Moção de Apoio ao CPERS, aos professores da rede estadual, proposta pelo diretor do 8º Núcleo, Gerson Luis Johann (Estrela). Essa matéria teve apenas um voto contrário, sem justificativa, da vereadora Mariela Portz (PSDB).

O retorno das atividades esportivas foi um dos assuntos tratados na 31ª Sessão Plenária. Segundo os defensores da proposta, a volta das partidas de futebol é importante para dar condições para entidades, proprietários de ginásios e campos de futebol continuarem ativos. Os parlamentares defenderam o uso de máscaras, álcool em gel e distanciamento social durante todas as atividades, a fim de garantir segurança sanitária aos participantes.

Por outro lado, houve manifestação contrária a esse posicionamento. Um vereador comentou que as pessoas têm uma falsa impressão de “volta à normalidade”. Porém, salientou, as recomendações seguem, uso de máscara, distanciamento social, e higienização das mãos com sabão ou álcool em gel 70°. Salientou que foram esses cuidados que permitiram que a pandemia tivesse redução, mesmo que pequena. O vereador salientou que não tem como defender a vida sem defender a economia, e vice-versa, porém insistiu que é preciso dar condições à população para seguir as recomendações, o que passa por garantir acesso à água em todos os bairros, referindo-se ao Bairro Santo Antônio, que por mais de dois anos enfrenta dificuldades nesse acesso.

Outros assuntos relativos às consequências econômicas da pandemia de Covid-19 foram trazidos ao debate. O repúdio dos transportadores escolares de Lajeado, os “topiqueiros”, que, segundo um vereador, tiveram indeferido protocolo encaminhado na Prefeitura, no qual solicitavam isenção de algumas taxas (impostos) municipais. O vereador reforçou que a classe está sem trabalho faz seis meses, e que alguns relatam falta de condições até para comer.

A necessidade de adequação aos serviços prestados à comunidade, em tempos de pandemia, foi apontada por alguns vereadores. A possibilidade de os idosos agendarem consultas, por telefone, para evitar aglomerações nos postos de saúde, foi uma delas. Também houve relato de reclamações dos serviços prestados pela atual empresa que assumiu o transporte público em Lajeado. Nesse caso, foi citado, desde a falta de educação dos motoristas, como a redução de horários, as aglomerações no interior dos veículos e, até assaltos na nova parada de ônibus, no Parque dos Dick.

Um vereador solicitou atenção para a aprovação da Lei 184/2020, do Executivo Estadual, que trata de novas regras para o pagamento do IPVA, principalmente, no que se refere à questão dos veículos mais antigos, que passariam a pagar o imposto.

Reclamações sobre o atendimento da Corsan também foram registradas. Segundo relato de um vereador, moradores reclamaram que estava saindo água vermelha das torneiras, o que gerou prejuízos materiais, com perda de roupas e equipamentos, além de o fato ter impossibilitado o consumo de água. Foi cogitada a possibilidade de levar o caso ao Ministério Público.

Outros temas foram abordados, referentes a denúncias e supostas irregularidades na administração municipal, o que gerou conflitos.

Um vereador lembro do início do Mês Verde, o mês nacional de Doação de Órgãos. Salientou que o tema ainda encontra muita resistência e falta informação. Em sua manifestação, o vereador salientou que não adianta existir uma data de comemoração, se não houver conscientização das pessoas quanto à doação. Refletiu sobre o significado da doação de órgãos, e salientou que é um ato nobre, que pode salvar vidas.

Complementou que, muitas vezes, o transplante é a única esperança de sobrevida ou a possibilidade de recomeço das pessoas que aguardam na fila de espera para receberem a doação. Ressaltou que a doação de órgãos é um ato nobre, que pode salvar vidas, e que muitas vezes o transplante é a única esperança de sobrevida ou de recomeço, para as pessoas que aguardam a doação. Segundo ele, conversar com familiares sobre a intenção de tornar-se doador de órgãos é muito importante.

O vereador adiantou que no início do ano tinha uma programação planejada para o Mês Verde, com ações voltadas para a sensibilização da comunidade, mas, a pandemia de coronovírus e o período eleitoral impediram a realização das atividades.

A 32ª Sessão Plenária foi convocada pelo presidente Lorival Silveira (PP), para a próxima terça-feira (8/9). A reunião das Comissões acontece no mesmo dia, a partir das 8h30min, de forma presencial para vereadores e assessores. Estando vedada, ainda, a presença do público, nos dois encontros, devido a pandemia de coronavírus.

* Devido ao período eleitoral, o nome dos vereadores foi suprimido, quando se trata de manifestações. 

Fonte: Assessoria de Imprensa

Data de publicação: 03/09/2020

Créditos: Aline Schmidt

Créditos das Fotos: Aline Schmidt

Compartilhe!